Explorando a abordagem dialógica da etnomodelagem: traduzindo conhecimentos matemáticos local e global em uma perspectiva sociocultural

Milton Rosa, Daniel Clark Orey

Resumen


A utilização das noções, procedimentos e práticas encontradas fora da escola pode ser considerada no desenvolvimento do processo de modelagem, mas não somente como uma mera manipulação das ideias e noções matemáticas. A aplicação do conhecimento etnomatemático juntamente com as ferramentas da modelagem permite-nos perceber diferentes realidades por meio de uma visão holística do conhecimento matemático. Nessa perspectiva, a abordagem pedagógica que conecta os aspectos culturais da matemática com seus aspectos acadêmicos é denominada etnomodelagem, que é um processo de tradução e elaboração de problemas e questões retiradas de sistemas que constituem parte da realidade dos membros de um determinado grupo cultural. Neste artigo é oferecida uma abordagem alternativa para a pesquisa em Educação Matemática, que é a aquisição de conhecimentos local (abordagem êmica) e global (abordagem ética) para a implementação das pesquisas em etnomodelagem. Oferece-se também uma terceira abordagem para as pesquisas em etnomodelagem, denominada de dialógica, que utiliza ambas as abordagens êmica e ética. Finalmente, define-se a etnomodelagem como sendo o estudo de fenômenos matemáticos que ocorrem uma determinada cultura, pois é um construto social e culturalmente enraizado.


Palabras clave


Etnomodelagem; Etnomatemática; Modelagem matemática; Abordagens êmica e ética; Abordagem dialógica.

Referencias


Albanese, V. (2015a). Desarollo de uma tesis doctoral em etnomatemática: construcción de uma investigación emergente. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 8(2), 381-397.

Albanese, V. (2015b). Etnomatemática de una artesanía argentina: identificando etnomodelos de trenzado. BOLEMA, 29(52), 493-507.

Albanese, V.; Perales, F. J. (2014). Pensar matematicamente: uma visión etnomatemática de la práctica artesanal soguera. RELIME, 17(3), 261-188.

Araújo, J. L. (2009). Uma abordagem sócio-crítica da modelagem matemática: a perspectiva da educação matemática crítica. Alexandria, 2(2), 55-68.

Babbitt, B., Lyles, D., & Eglash, R. (2012). From ethnomathematics to ethnocomputing: indigenous algorithms in traditional context and contemporary simulation. In S. Mukhopadhyay; W. M. Roth (Eds.), Alternative forms of knowing in mathematics: celebrations of diversity of mathematical practices (pp. 205-220). Rotterdam, The Netherlands: Sense Publishers.

Barbosa, J. C. (2003). Modelagem matemática em sala de aula. Perspectiva, 27, 65-74.

Bassanezi, R. C. (2002). Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. São Paulo, SP: Editora Contexto.

Berry, J. W. (1999). Emics and etics: a symbiotic conception. Culture & Psychology, 5, 165-171.

Burns, E., & Bouchard, S. (2003). Underground railroad: sampler. San Marcos, CA: Quilt in a Day.

Caldeira, A. D. (1992). Uma proposta pedagógica em etnomatemática na zona rural da fazenda Angélica em Rio Claro. Dissertação de mestrado. Rio Claro, SP: UNESP.

Canedo Jr., N. R.; Kistemann Jr., M. A. (2014). O movimento de pesquisas em modelagem matemática em Minas Gerais – Brasil. REVEMAT, 9(Edição Especial), 100-123.

Cortes, D. P. O. (2017). Re-significando os conceitos de função: um estudo misto para entender as contribuições da abordagem dialógica da etnomodelagem. Dissertação de Mestrado. Departamento de Educação Matemática. Ouro Preto, MG: Universidade Federal de Ouro Preto.

D’Ambrosio, U. (1990). Etnomatemática. São Paulo, SP: Editora Ática.

D’Ambrosio, U. (1993). Etnomatemática: um programa. A Educação Matemática em Revista, 1(1), 5-11.

D’Ambrosio, U. (1999). Literacy, matheracy, and technoracy: a trivium for today. Mathematical Thinking and Learning, 1(2), 131-153.

D’Ambrosio, U. (2000). Etnomatemática e modelagem. In Domite, M. C. (Ed.). Anais do Primeiro Congresso Brasileiro de Etnomatemática – CBEm-1 (pp. 142). São Paulo, SP: FE-USP.

D’Ambrosio, U. Prefácio (2017a). In Rosa, M., & Orey, D. C. Etnomodelagem: a arte de traduzir práticas matemática locais (pp. 13-16). São Paulo, SP: Editora Livraria da Física.

D’Ambrosio, U. (2017b). Uma dúvida… sobre etnomatemática. [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por email em 20 de Agosto de 2017.

D’Olne Campos, M. D. (2002). Etnociência ou etnografia de saberes, técnicas e práticas? In Amorozo, M. C. M. (Org.). Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas (pp. 47-92). Rio Claro, SP: UNESP.

Eglash, R. (2002). African fractals: modern computing and indigenous design. New Brunswick, NJ: Rutgers University Press.

Eglash, R., Bennett, A., O’Donnell, C., Jennings, S., & Cintorino, M. (2006). Culturally situated designed tools: ethnocomputing from field site to classroom. American Anthropologist, 108(2), 347-362.

Ferreira, E. S. (1997). Etnomatemática: uma proposta metodológica. Rio de Janeiro, RJ: MEM/USU.

Gavarrete, M. E. (2015). Etnomatemáticas indígenas y formación docente: uma experiencia em Costa Rica a través del modelo MOCEMEI. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 8(2), 136-176.

Harris, M. (1980). The epistemology of cultural materialism. In Harris, M. Cultural materialism: the struggle for a science of culture (pp. 29-45). New York, NY: Random House.

Klüber, T. E. (2007). Modelagem matemática e etnomatemática no contexto da educação matemática: aspectos filosóficos e epistemológicos. Dissertação de mestrado. Ponta Grossa, PR: Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Klüber, T. E., & Burak, D. (2014). Uma metacompreensão da modelagem e da etnomatemática na educação matemática. Currículo sem Fronteiras, 14(1), 260-278.

Knijnik, G. (1993). O saber popular e o saber acadêmico na luta pela terra. A Educação Matemática em Revista, 1(1), 28-42.

Knijnik, G. (1996). Exclusão e resistência: educação matemática e legitimidade cultural. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Lachney, M., Bennett, A., Appiah, J., & Eglash, R. (2016). Modeling in ethnocomputing: replacing bi-directional flows with recursive emergence. RIPEM, 6(1), 219-243.

Orey, D. C. (2000). The ethnomathematics of Sioux tipi and cone. In Selin, H. (Ed.). Mathematics across cultures: the history of non-western mathematics (pp. 239-253). Norwell, Netherlands: Kluwer Academic Publishers.

Owens, K. (2015). Visuospatial reasoning: an ecocultural perspective for space, geometry and measurement education. Dordrecht, The Netherlands: Springer.

Pike, K. L. (1954) Emic and etic standpoints for the description of behavior. Glendale, IL: Summer Institute of Linguistics.

Rosa, M. (2000). From reality to mathematical modeling: a proposal for using ethnomathematical knowledge. Dissertação (Mestrado em Educação). College of Education. California State University, Sacramento, CA: CSUS.

Rosa, M. (2010). A mixed-methods study to understand the perceptions of high-school leaders about English language learners (ELL): the case of mathematics. Tese (Doutorado em Educação). College of Education. California State University, Sacramento, CA: CSUS.

Rosa, M., & Orey, D. C. Vinho e queijo: etnomatemática e modelagem! BOLEMA, v. 16, n. 20, p. 1-16, 2003.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2006). Abordagens atuais do programa etnomatemática: delineando um caminho para a ação pedagógica. BOLEMA, 19(26), 19-48.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2007). Cultural assertions and challenges towards pedagogical action of an ethnomathematics program. For the Learning of Mathematics, 27(1), 10-16.

Rosa, M., & Orey, D. (2009). Symmetrical freedom quilts: the ethnomathematics of ways of communication, liberation, and art. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 2(2), 52-75.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2010a) Ethnomodeling: a pedagogical action for uncovering ethnomathematical practices. Journal of Mathematical Modelling and Application, 1(3), 58-67.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2010b). Ethnomodeling as a pedagogical tool for the ethnomathematics program. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, v. 3, n. 2, p. 14-23, 2010b.

Rosa, M.; Orey, D. C. (2012). O campo de pesquisa em etnomodelagem: as abordagens êmica, ética e dialética. Educação e Pesquisa, 38(4), 865-879.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2013a). Ethnomodelling as a methodology for ethnomathematics. In Stillman, G. A., & Brown, J. (Orgs.). Teaching mathematical modelling: connecting to research and practice (pp. 77-88). Dordrecht, The Netherlands: Springer Science+Business Media Dordrecht.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2013b). Ethnomodelling as a research lens on ethnomathematics and modelling. In Stillman, G. A., & Brown, J. (Orgs.). Teaching mathematical modelling: connecting to research and practice (pp. 117-127). Dordrecht, The Netherlands: Springer Science+Business Media Dordrecht.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2013c). Ethnomodeling as a research theoretical framework on ethnomathematics and mathematical modeling. Journal of Urban Mathematics Education, 6(2), 62-80.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2017). Etnomodelagem: a arte de traduzir práticas matemática locais. São Paulo, SP: Editora Livraria da Física.

Scandiuzzi, P. P., & Miranda, N. (2000). Resolução de problema matemático através da etnomatemática. In: Domite, M. C. S. (Ed.). Anais do primeiro congresso brasileiro de etnomatemática - CBEm1 (pp. 251-254). São Paulo: FE-USP.

Shockey, T., & Mitchell, J. B. (2016). An ethnomodel of a traditional Penobscot summer dwelling. RIPEM, 6(1), 178-195.

Wilson, S. S. (2002). The secret quilt code. Traditional Quiltworks, 79, 6–9.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.