Consolidando a perspectiva sociocultural da modelagem matemática por meio da etnomodelagem

Autores/as

  • Diego Pereira de Oliveira Cortes Secretaria de Educação de Estado de Minas Gerais
  • Daniel Clark Orey Universidade Federal de Ouro Preto
  • Milton Rosa Universidade Federal de Ouro Preto

Palabras clave:

Etnomodelagem, Abordagem ética, Abordagem êmica, Abordagem dialógica, Re-significação de funções.

Resumen

Essa pesquisa sobre etnomodelagem foi conduzida em uma escola pública estadual e em uma feira livre situada na região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais. O principal objetivo desse estudo foi identificar como a abordagem dialógica da etnomodelagem pode contribuir para o processo de re-significação do conceito de função de 38 alunos do segundo ano do ensino médio durante a sua interação com um feirante e as suas práticas laborais. O objetivo específico foi compreender a importância das concepções culturais para a elaboração de etnomodelos extraídos das práticas matemáticas desenvolvidas pelo feirante para a sua utilização em salas de aula. Para a coleta de dados foram utilizados três blocos de atividades, dois questionários (inicial e final), uma entrevista semiestruturada com o feirante, um seminário com os alunos e o feirante e o diário de campo do professor-pesquisador. Os dados coletados, quantitativos e qualitativos, foram analisados simultaneamente com a utilização da Metodologia do Estudo Misto por meio do design QUAN + QUAL. Após essa análise, houve a quantificação dos dados qualitativos que possibilitou a interpretação dos resultados por meio da elaboração de três categorias e 11 subcategorias que permitiram que a questão de investigação fosse respondida. Os resultados desse estudo mostram que a etnomodelagem propiciou uma abordagem integradora do currículo matemático escolar ao considerar ambos os conhecimentos matemáticos êmico do feirante e ético dos alunos para uma compreensão holística das práticas matemáticas desenvolvidas pelos membros de grupos culturais distintos que compõem a população discente escolar.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Diego Pereira de Oliveira Cortes, Secretaria de Educação de Estado de Minas Gerais

Mestre em Educação Matematica Pela Universidade Federal de Ouro Preto (2017). Especialista em Educação Matemática pelo Instituto Federal de Minas Gerais - Ouro Preto (2017) e Graduado em licenciatura em Matemática pelo Instituto de Educação Superior Anisio Teixeira- UEMG. (2012). Professor de Matemática da Secretária de Educação de Estado de Minas Gerais e compõe Grupo de Pesquisa em Etnomathematica, Etnomodelagem e Modelagem Matemática.

Daniel Clark Orey, Universidade Federal de Ouro Preto

Daniel Clark Orey, Ph.D. é Professor Emeritus de Educação Multicultural e Matemática, na California State University, Sacramento, na qual exerceu a profissão docente de 1987 a Janeiro de 2011. Nessa mesma universidade, ele foi instrutor no Department of Learning Skills (Departamento de Aprendizagem de Habilidades) e foi membro do corpo docente do programa de doutorado em Educational Leadership (Liderança Educacional). Como Coordenador e Principal Investigador do Projeto Coleção de Algoritmos (Algorithm Collection Project), Dr. Orey está interessado no estudo das diversas maneiras pelas quais os imigrantes recém-chegados em comunidades californianas, pensam, raciocinam e calculam matematicamente. Dr. Orey se formou no magistério, na Oregon State University, em 1978, e começou a lecionar matemática na Monitor Elementary School, em Mount Angel, Oregon. Posteriormente, ele também lecionou a mesma disciplina nas seguintes escolas: Riverdale School, em Portland, no Oregon; Colégio Americano de Guatemala, na Cidade de Guatemala e na Escuela Americana, em Bananera, na Guatemala. Dr. Orey se doutorou em Curriculum and Instruction in Multicultural Education (Currículo e Instrução em Educação Multicultural) pela University of New México (Universidade do Novo México), em 1988. Ambas as pesquisas de mestrado e doutorado foram financiadas pela instituição Mellon-Tinker. Durante a pesquisa de doutorado, Dr. Orey atuou como consultor no Colégio Americano de Puebla e na Apple do México. Em 1992, Dr. Orey teve um papel importante na fundação da Sociedade Internacional para Estudos da Criança, na qual ele atuou como secretário geral por vários mandatos. Atualmente, ele é o vice-presidente dessa instituição. No período de 1995 a 1998, Dr. Orey foi o diretor do Professional Development (Desenvolvimento Profissional) e do Center for Teaching and Learning (Centro para o Ensino e Aprendizagem) na Califórnia State University, Sacramento. Em 1998, a convite do Prof. Ubiratan D?Ambrosio, Dr. Orey atuou como Fulbright Scholar, na PUC de Campinas, na qual realizou pesquisas em salas de aula e ministrou cursos na área de etnomatemática e modelagem. Durante o ano escolar de 2005-2006, Dr. Orey atuou como professor-pesquisador visitante, com patrocínio do CNPq, na área de educação matemática, em etnomatemática, na Universidade Federal de Ouro Preto. Em 2007, Dr. Orey atuou como Senior Fulbright Specialist em Kathmandu University, Nepal, realizando palestras sobre temas relacionados com a Educação Matemática e lecionando sobre etnomatemática e modelagem. Dr. Orey publicou inúmeros livros, artigos e capítulos de livro, em diversos idiomas. Ele também ministrou workshops e cursos, realizou apresentações orais, e proferiu palestras, em diversos países. Dr. Orey fala e escreve, fluentemente, em inglês, português e espanhol. Em março de 2011, Dr. Orey aceitou o cargo de professor de educação matemática no Centro de Educação Aberta e a Distância na Universidade Federal de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.

Milton Rosa, Universidade Federal de Ouro Preto

Prof. Milton Rosa possui Licenciatura Curta em Ciências com Licenciatura Plena em Matemática pela Faculdade de Ciências e Letras Plínio Augusto do Amaral (1983), graduação em Pedagogia pela Faculdade de Ciências e Letras Plínio Augusto do Amaral (1993) na área de Administração Escolar, especialização em Educação Matemática pela PUC de Campinas (1999), mestrado em Educação Matemática, Currículo e Instrução pela California State University, em Sacramento (2000) e doutorado em Educação, Liderança Educacional na área de Gestão Educacional da Educação Básica, pela California State University, em Sacramento (2010). Ambos os diplomas de mestrado e doutorado expedidos pela California State University, em Sacramento (CSUS) foram revalidados pela Universidade de São Paulo (USP). Prof. Milton Rosa também possui pós-doutorado em Educação pela USP em 2014. Atualmente, é professor adjunto do Departamento de Educação Matemática (DEEMA) e professor do Centro de Educação Aberta e a Distância (CEAD), na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). No CEAD, exerceu a função de coordenador e professor do Curso de Licenciatura em Pedagogia, sendo que atualmente leciona no Curso de Licenciatura em Matemática. Atualmente, exerce no CEAD, a função de Coordenador do Curso de Licenciatura em Matemática, na modalidades a distância. Leciona e orienta mestrandos como professor permanente do Mestrado Profissional em Educação Matemática do DEEMA/ICEB/UFOP. Prof. Milton Rosa foi integrante dos Núcleos Docentes Estruturantes (NDE) dos cursos de licenciatura em Pedagogia. Atualmente, integra o NDE e o Colegiado do Curso de Licenciatura em Matemática, na modalidade a distância, integrando também o Colegiado do Mestrado Profissional em Educação Matemática eo Colegiado do Curso de Pedagogia, na modalidade a distância. No Brasil, no período de 1988 a 1999, lecionou matemática, estatística, ciências e matemática para o magistério a nível secundário, em escolas públicas, particulares e técnicas/profissionalizantes. Na Califórnia, foi professor titular de matemática na escola Encina Preparatory High School, de 1999 a 2011; sendo também membro do National Evaluation System (NES) para avaliação de professores de matemática e colaborador do Educational Testing System (ETS) para matemática e espanhol para elaboração e avaliação dos itens para esses testes padronizados. É parecerista, entre outros, dos periódicos, Journal of Mathematics and Culture, IJREE, TODOS TEEM Journal, Acta Scientae, Educational Research, The Mathematics Teacher, Zetetiké e Revista Cultura Popular. Prof. Rosa tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Educação, atuando principalmente nas áreas de matemática, etnomatemática, currículo e instrução, modelagem matemática, etnomodelagem, linguística e matemática, história da matemática e liderança educacional. Escreveu 87 artigos, 12 notícias de jornal, 8 livros publicados e 3 livros organizados (atas) e 52 capítulos de livros publicados em português, inglês e espanhol em revista nacionais e internacionais. Desde 2015 é parte do comitê internacional do Mathematics Education and Culture (MES). Em 2010, Prof. Rosa recebeu o prêmio Dr. Carlos J. Vallejo Memorial Award for Emerging Scholar do Multicultural/Multiethnic Education: Theory, Research and Practice patrocinado pelo Special Interest Group da American Educational Research Association, em Denver, Colorado, Estados Unidos por sua contribuição ao desenvolvimento de pesquisas educacionais nos Estados Unidos.

Citas

Alves, G. M. (2014). As contribuições da etnomatemática e da perspectiva sociocultural da história da matemática para a formação da cidadania dos alunos de uma turma do 8.º ano do ensino fundamental por meio do ensino e aprendizagem de conteúdos da educação financeira. Dissertação (Mestrado Profissional Educação Matemática). DEMAT/ICEB. Ouro Preto, MG: UFOP.

Banks, J. A. (1997). Multicultural education: characteristics and goals. In Banks, J. A. & Banks. C. A. M. (Eds.). Multicultural education: issues and perspectives (pp. 385-440). Boston, MA: Allyn & Bacon.

Bassanezi, R. C. (2002). Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. São Paulo, SP: Editora Contexto.

Cortes, D. P. O. (2017a). Re-significando os conceitos de função: um Estudo Misto para entender as contribuições da abordagem dialógica da Etnomodelagem. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Matemática). Instituto de Ciências Exatas e Biológicas- ICEB. Departamento de Educação Matemática- DEEMA. Ouro Preto, MG: UFOP.

Cortes, D. P. O. (2017b). Etnomodelos como uma ação pedagógica: sugestões para a prática docente em sala de aula. Produto Educacional (Mestrado Profissional em Educação Matemática). Instituto de Ciências Exatas e Biológicas- ICEB. Departamento de Educação Matemática- DEEMA. Ouro Preto, MG: UFOP.

Creswell, J. W. & Plano Clark, V. L. (2007). Designing and conducting mixed-methods research. Thousand Oaks, CA: Sage Publication.

D’Ambrosio, U. (1990). Etnomatemática. São Paulo, SP: Editora Ática.

D’Ambrosio, U. (1993) Etnomatemática: um programa. A Educação Matemática em Revista, 1(1), 5-11.

D’Ambrosio, U. (2001). Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

D’Ambrosio, U. (2002). Que matemática deve ser aprendida nas escolas hoje? Teleconferência no programa PEC – Formação Universitária. São Paulo. SP: Secretaria de Educação do Estado São Paulo.

D’Ambrosio, U. (2005). Etnomatemática e educação. In: Knijnik, G.; Oliveira, C. J.; Wanderer, F, (Orgs.). Etnomatemática: currículo e formação de professores (pp.39-52). Santa Cruz do Sul, RS: Editora EDUNISC.

D’Ambrosio, U. (2008). O Programa etnomatemática: uma síntese. Scientiae, 10(1), 7-16.

Dwyer, K. (1982) Moroccan dialogues: Anthropology in question. London, England: J. Hopkins Press.

Geertz, C. (1973). Thick description: Toward an interpretive theory of culture. In Geertz, C. (Ed). The interpretation of culture: selected essays (pp. 310-323). New York, NY: Basic Books.

Lett, J. (1996). Emic-etic distinctions. In Levinson, D. & Ember, M. (Eds.). Encyclopedia of Cultural Anthropology (pp. 382-383). New York, NY: Henry Holt and Company.

Nicolescu, B.(1999). O manifesto da transdisciplinaridade. Tradução de Lúcia Pereira de Souza. São Paulo, SP: Triom.

Roazzi, A. (1987). Pesquisa e contexto: métodos de investigação e diferenças sócio-culturais em questão. Cadernos de Pesquisa, 62, 35-44.

Rosa, M. & Orey, D. C. (2003). Vinho e queijo: etnomatemática e modelagem! BOLEMA, 16(20), 1-16.

Rosa, M. & Orey, D. C. (2006). Abordagens atuais do programa etnomatemática: delineando um caminho para a ação pedagógica. BOLEMA, 19(26), 19-48.

Rosa, M. & Orey, D. C. (2010). Alho e sal: etnomatemática com modelagem. Perspectivas da Educação Matemática, 2(4), 149-162.

Rosa, M. & Orey, D. C. (2012). O campo de pesquisa em etnomodelagem: as abordagens êmica, ética e dialética. Educação e Pesquisa, 38(4), 865-879.

Rosa, M. & Orey, D. C. (2013). The Mathematics of the curves on the wall of the Colégio Arquidiocesano and its mathematical models: a case for ethnomodeling. Journal of Mathematical Modelling and Application, 1(8), 42-62.

Rosa, M. & Orey, D. C. (2017). Etnomodelagem: a arte de traduzir práticas matemáticas locais. São Paulo, SP: Editora Livraria da Física.

Orey, D. C. & Rosa, M. (2007). A dimensão crítica da modelagem matemática: ensinando para a eficiência sociocrítica. Horizontes, 25(2), 197-206.

Samovar, L. A. & Porter, R. E. (2000). Communication between cultures. Beijing, China: Foreign Language Teaching and Research Press.

Publicado

2018-07-04

Cómo citar

Cortes, D. P. de O., Orey, D. C., & Rosa, M. (2018). Consolidando a perspectiva sociocultural da modelagem matemática por meio da etnomodelagem. Revista Latinoamericana De Etnomatemática, 11(1), 13-35. Recuperado a partir de https://www.revista.etnomatematica.org/index.php/RevLatEm/article/view/493

Artículos más leídos del mismo autor/a

1 2 > >>