Criação de sambas enredos: relações entre modelagem e etnomatemática

Zulma Elizabete de Freitas Madruga, Adriana Breda

Resumen


Nesta pesquisa    objetivou-se analisar, desde uma perspectiva da etnomodelagem, o processo de criação de sambas enredos para agremiações carnavalescas brasileiras, comparando-os com as etapas de modelagem (matemática). Para tanto, utilizou-se o mapeamento como princípio metodológico, dividido em duas etapas: Apreensão dos dados empíricos obtidos por entrevistas narrativas realizadas com um compositor de sambas enredo; Significação desses dados por meio de análise das mesmas, buscando articulação desses resultados com o programa etnomatemática. Percebeu-se que na música há uma matemática implícita, e muito relacionada com o contexto cultural do entrevistado. Além disso, evidenciou-se que o compositor, ao criar um samba perpassa pelas fases: intenção, projeção, criação e produto, etapas estas que estão em consonância com os procedimentos empregados na modelagem na educação: percepção e apreensão; compreensão e explicitação; e, significação e expressão.


Palabras clave


Modelagem Matemática; Etnomatemática; Etnomodelagem; Cultura; Criação de Sambas Enredos.

Referencias


Albanese, V. & Perales, F. J. (2014). Pensar matemáticamente: una visión etnomatemática de la práctica artesanal soguera. Revista latinoamericana de investigación en matemática educativa, 17(3), 261-288.

Almeida, L. M. & Kato, L. A. (2014). Different Approaches to Mathematical Modelling: Deduction of Models and Student’s Actions. Mathematics Education, 9(1), 3-11.

Bassanezi, R. (2010). Ensino-aprendizagem com Modelagem Matemática. São Paulo: Contexto.

Biembengut, M. S. (2000). Modelagem matemática e etnomatemática: pontos (in) comuns. Conferência apresentada no Congresso Nacional de Etnomatemática. São Paulo, Brasil.

Biembengut, M. S. (2003). Modelagem e Processo Cognitivo. Conferência apresentada no Encontro Nacional de Modelagem e Educação Matemática. Piracicaba, Brasil.

Biembengut, M. S. (2008). Mapeamento na Pesquisa Educacional. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna.

Biembengut, M. S. (2014). Modelagem Matemática no Ensino Fundamental. Blumenau: Editora da FURB.

Biembengut, M. S. (2016). Modelagem na Educação Matemática e na Ciência. São Paulo: Livraria da Física.

Blum, W. et al. (2007). Modelling and Applications in Mathematics Education. New York: Springer.

Bogdan, R. & Biklen, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Lisboa: Porto.

Brasil. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Recuperado em 04 de abril de 2018 de http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529732/lei_de_diretrizes_e_bases_1ed.pdf.

Burak, D. & Klüber, T. E. (2011). Encaminhamentos didático-pedagógicos no contexto de uma atividade de modelagem matemática para a Educação Básica. En: Almeida, Lourdes M. W. Araújo, Jussara L. Bisognin, Eleni. Práticas de Modelagem Matemática na Educação Matemática (pp.44-64). Londrina: Eduel.

D’Ambrosio, U. (1986). Da Realidade à Ação: reflexões sobre educação e matemática, São Paulo: Summus, 1986.

D’Ambrosio, U. (2001). Etnomatemática. Elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica.

D’Ambrosio, U. (2005). Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação e Pesquisa 31(1), 99-120.

D’Ambrosio, U. (2010). Artefatos e mentefatos na formação de professores de Matemática: um retrospecto. Conferencia apresentada no Congresso Internacional de Educação Matemática. Canoas, Brasil.

Da Matta, R. (1986). O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco.

Feitosa, S. G. (2000). Música e Matemática: uma soma que subtrai problemas, multiplica interesse e divide melhor o resultado. Linhas Críticas, 6(10), 71-80.

Frankenstein, M. & Powell, A. (2009). Paulo Freire’s Contribution to an Epistemology of Ethnomathematics. Recuperado em 04 de abril de 2018 de http://andromeda.rutgers.edu/~powellab/docs/proceedings/paulofriere_epis.pdf

Gerdes, P. (2003). A investigação etnomatemática como estímulo para a pesquisa matemática. Disponível em: http://www2.fe.usp.br/~etnomat/site-antigo/anais/PaulusGerdes.html Acesso em 02 de abril de 2018.

Giroux, H. (1986). Teoria crítica e resistência em educação: Para além das teorias de reprodução. Petrópolis: Vozes.

Japiassú, H. & Marcondes, D. (2011). Dicionário Básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Larrosa, J. (1994). Tecnologias do eu e educação. En: Silva, T. T. O sujeito da educação (pp 35-86). Petrópolis: Vozes.

Madruga, Z. E. F. (2017). A perspectiva ‘etnomodelagem’ presentes nos fazeres de um coreógrafo. Revista de Educação, Ciência e Cultura, 22(2), 57-69.

Madruga, Z. E. F. (2016). Processos criativos e valorização da cultura: possibilidades de aprender com modelagem. Tese de doutorado não publicado. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Madruga, Z. E. F. & Biembengut, M. S. (2016). Modelagem & Aleg(o)rias: um enredo entre cultura e educação. Curitiba: Appris.

Madruga, Z. E. F.; Biembengut, M. S. & Lima, V. M. R. (2015). Das relações entre Modelagem, Etnomatemática e Carnaval: Reflexões para aplicação na Educação Básica. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, 4(2), 31-52.

Madruga, Z. E. F. & Breda, A. (2017). Processos de Criação de Esculturas de Carnaval: Um Olhar sob a Perspectiva Etnomatemática. Journal of Mathematics and Culture, 11(1), 01-19.

Madruga, Z. E. F. & Lima, V. M. R. (2017). Processos criativos e Modelagem: uma investigação qualitativa. En A. P. Costa. S. Tuzzo. & C. Brandão (Eds.), Atas do 6º Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa. (Volume 1 – Investigação Qualitativa em Educação) (pp. 1968-1977). Salamanca – ESPANHA: Ludomedia.

Maturana, H. R. & Varela, F. J. (2001). A árvore do conhecimento. Trad. Humberto Mariotti e Lia Diskin. São Paulo: Palas Athena.

Meyer, J. F.; Caldeira, A. D. & Malheiros A. P. S. (Org.). (2011). Modelagem em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica.

Niss, M. (2013). Modeling a crucial aspect of students’ mathematical modeling. In: Lesh, R.; Galbraith, P.; Haines, C. R.; Hurford, A. (Eds.). Modeling students’ mathematical modeling competencies, (pp. 43-59). Dordrecht: Springer.

Ostrower, F. (2014). Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Vozes.

Pinheiro, R. C. ; Rosa, M. (2017). O Programa Etnomatemática como uma Ação Pedagógica para o Desenvolvimento da Educação Financeira de Alunos Surdos que se Comunicam em Libras. RLE (PASTO), 10, 181-200.

Rosa, M., & Orey, D. (2003). Vinho e queijo: etnomatemática e modelagem. Bolema, 16(20), 1-16.

Rosa, M., & Orey, D. (2012). O campo de pesquisa em etnomodelagem: as abordagens êmica, ética e dialética. Educação e Pesquisa, 38(4), 865-879.

Rosa, M., & Orey, D. (2017). Etnomodelagem: a arte de traduzir práticas matemáticas locais. São Paulo: Livraria da Física.

Scandiuzi, P. (2002). Água e óleo: Modelagem e Etnomatemática? Bolema, 15(17).


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.