Matemática da Sensibilidade: A construção de simetria no processo de ornamentação de louças

Alcione Marques-Fernandes

Resumen


Resumo

Este artigo apresenta alguns resultados da minha pesquisa de doutorado, concluído no início de 2016, realizada junto a duas louceiras do município de Arraias, estado de Tocantins. Sua produção de louças é baseada em conhecimento tradicional herdado por meio da oralidade e principalmente pela observação, sendo desenvolvida de forma completamente manual, desde a criação das peças até a sua ornamentação. Na técnica de ornamentação observou-se a simetria dos desenhos e analisou-se a capacidade intuitiva destas senhoras em realizar a criação dos motivos, este processo criativo desenvolvido pelas louceiras na ornamentação das peças foi traduzido como a matemática da sensibilidade, representando uma convergência entre a formalização do pensamento e a arte unindo pesquisador e pesquisado. A matemática da sensibilidade pode ser considerada, a princípio, como etnomodelo, pois se coloca na perspectiva de tradutora da realidade vivida pelas louceiras em seu processo criativo de ornamentação colocando sua linguagem simbólica em parâmetros formais da matemática acadêmica.

Abstract

This article presents some results of my doctoral research, completed in early 2016, held together with two women from the municipality of Arraias, state of Tocantins. Its production of crockery is based on traditional knowledge inherited through orality and mainly by observation, being developed completely manually, from the creation of the pieces to their ornamentation. In the technique of ornamentation, the symmetry of the drawings was observed and the intuitive ability of these ladies to analyze the creation of the motifs was analyzed. This creative process developed by the craftswomen in the ornamentation of the pieces was translated as the mathematics of sensitivity, representing a convergence between Formalization of thought and art by linking researcher and researcher. The mathematics of sensibility can be considered, at first, as an ethnomodel, because it is placed in the perspective of translator of the reality lived by the craftswomen ones in its creative process of ornamentation placing its symbolic language in formal parameters of the academic mathematics.


Palabras clave


Matemática da Sensibilidade; Simetria; Louceiras de Arraias; Etnomodelagem; Mathematics of Sensitivity; Symmetry; Craftswoman of Arraias; Ethnomodeling

Referencias


Almeida, M. (2010). Complexidade, saberes científicos, saberes da tradição. São Paulo: Livraria da Física.

Apolinário, J. R. (2007). Escravidão negra no Tocantins: vivências escravistas em Arraias (1739-1800) (2ª ed.). Goiânia, Goiás, Brasil: Kelps.

Arnheim, R. (2004). Intuição e intelecto na arte (2ª ed.). (J. L. Camargo, Trad.) São Paulo: Martins Fontes.

Bassanezi, R. C., & Biembengutt, M. (1988). A matemática dos ornamentos e a cultura Arica. Revista de Ensino de Ciências, 21(21), 39-45.

Campos, M. D. (2002). Etnociência ou etnografia de saberes, técnicas e práticas? In M. d. Amorozo, L. Ming, & S. P. Silva, Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas (pp. 47-92). Rio Claro: Unesp/CNPQ.

Cordeiro, R. B. (1989). Arraias: suas raízes e sua gente. Goiânia: [s.n.].

D'Ambrosio, U. (2009). Etnomatemática: Elo entre as tradições e a modernidade (3ª ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Fernandes, A. M. (2016). Louceiras de Arraias: do olhar etnomatemático à ecologia de saberes na Universidade Federal do Tocantins. (Tese de Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de Brasília. Brasília, DF, Brasil.

Geertz, C. (2009). O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa (11ª ed.). (V. M. Joscelyne, Trad.) Petrópolis: Vozes.

Gerdes, P. (2012). Etnogeometria: cultura e o despertar do pensamento geométrico. Recuperado de http://www.lulu.com/spotlight/pgerdes

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística . (2015). Cidades 2015. Recuperado de

http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=170240

Macedo, R. S. (2012). A etnopesquisa implicada: pertencimento, criação de saberes e afirmação. Brasília: Liber Livro.

Maturana, H. (1999). A ontologia da realidade. (H. Mariotti, & L. Diskin, Trads.) Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Moraes, M. (2008). Ecologia de Saberes: complexidade, transdisciplinaridade e educação: novos fundamentos para iluminar novas práticas educacionais. São Paulo: Antakarana/WHH- Willis Harman House.

Oliveira, R. C. (2000). O trabalho do antropólogo (2ª ed.). São Paulo, São Paulo, Brasil: Unesp/Paralelo.

Ostrower, F. (1988). A construção do Olhar. In A. Novaes, A. Bosi, M. Chauí, G. Bornheim, S. Duarte... O. Arantes, O Olhar (pp. 167-182). São Paulo, São Paulo, Brasil: Companhia das letras.

Ostrower, F. (1991). Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Vozes.

Rohde, G. M. (1982). Simetria. São Paulo: Hemus.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2012). O campo de pesquisa em etnomodelagem: as abordagens êmica, ética e dialética. Revista Educação e Pesquisa, 38(4), 865-879.

Silva, N. L. (2008). Caderno didático: história do Tocantins. Goiânia: Grafset.

Stewart, I. (2012). Uma História da Simetria na Matemática. (C. Carina, Trad.) Rio de Janeiro: Zahar.

Vergani, T. (2009). A criatividade como destino: Transdisciplinaridade, cultura e educação. São Paulo: Autêntica.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 Revista Latinoamericana de Etnomatemática

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.

Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.