Jogo e Cultura: A sedimentação e a essência do humano

Adailton Silva Adailton, João Severino-Filho

Resumen


Resumo

No presente artigo, buscamos abordar o jogo como elemento de sedimentação cultural dos grupos sociais distintos. Para isso, trazemos situações de dois grupos sociais (Apyãwa/Tapirapé e A’uwẽ/Xavante), de modo que possamos refletir sobre o seu caráter multidimensional. Acreditamos que, na perspectiva cultural, os jogos assumem uma função dinâmica de controle social, estabelecimento da ordem, além de proporcionar o divertimento, a alegria, o prazer, a beleza e a liberdade para os indivíduos pertencentes aos grupos sociais, e que, tudo isso contribui para a definição e essência do humano. Os dados que aqui discutimos/refletimos foram coletados durante nossa interação com esses povos indígenas in loco, durante a pesquisa de doutoramento, cujos cadernos de campo foram revisitados para a produção desse artigo, nos proporcionando novos olhares e outras indagações. Neste processo de interação, diálogo, e observações a vertente antropológica da Etnomatemática foi a base para o ententendimento/compreenção da maneira como os jogos estão/são sistematizados e difundidos nesse contexto.

Abstract

In this article, we seek to approach the game as an element of cultural sedimentation of different social groups. For this, we bring situations of two social groups (Apyãwa / Tapirapé and A’uwẽ / Xavante), so that we can reflect on their multidimensional character. We believe that, from a cultural perspective, games assume a dynamic function of social control, establishment of order, besides providing fun, joy, pleasure, beauty and freedom for individuals belonging to social groups, and that everything This contributes to the definition and essence of the human. The data we discuss / reflect on were collected during our interaction with these indigenous peoples in loco during the doctoral research, whose field books were revisited to produce this article, giving us new looks and other inquiries. In this process of interaction, dialogue, and observations the anthropological aspect of Ethnomathematics was the basis for the understanding /understanding of the way games are systematized and diffused in this context.

Palabras clave


Povo Apyãwa; Povo A’uwẽ; Etnomatemática; Apyãwa People; A’uwẽ People; Ethnomathematics

Referencias


Clifford, J. L. (2002). A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro, Editora UFRJ.

D’Ambrosio, U. (2004). Um enfoque transdisciplinar à educação e à História da Matemática. In M. V. Bicudo, M Borba, (1ª Ed.). Educação matemática: pesquisa em movimento (pp. 13-29). São Paulo: Cortez.

D’Ambrosio, U. (2001). Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Editora Autêntica.

D’Ambrosio, U. (1999). A História da Matemática: questões historiográficas e políticas e reflexões na educação matemática. In M. V. Bicudo, (Org.). Pesquisa em Educação Matemática: concepções & perspectivas (pp. 97-115). (Seminários & debates). São Paulo: Editora Unesp.

D’Ambrosio, U. (1990). Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. Série Fundamentos. Vol. 74: São Paulo-SP. Editora Ática.

Geertz, Clifford. (1989). A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro-RJ. Editora LTC.

Gennep, A. V. (1977). Os Ritos de Passagem – estudo sistemático dos ritos da porta e da soleira, da hospitalidade, da adoção, gravidez e parto, nascimento, infância, puberdade, iniciação, ordenação, coroação, noivado, casamento, funerais, estações, etc.. Tradução de Ferreira, Mariano. Coleção Antropologia Vol. 11 - Petrópolis, Editora Vozes.

Giaccaria e Salvatore (2001). A iniciação Xavante à vida adulta (Danhono). Universidade Católica DOM BOSCO, Campo grande. Editora UCDB.

Huizinga, J. (2012). Homo Ludens. São Paulo: Editora Perspectiva.

Lopes Da Silva, A. (1986). Nomes e Amigos: da prática Xavante a uma reflexão sobre os Jê. São Paulo: FFLCH – USP.

Maybury – Lewis, D. (1984). A Sociedade Xavante. – Rio de Janeiro – RJ. Livraria Francisco Alves Editora.

Severino-Filho, J. (2015). Marcadores de Tempo Apyãwa: a solidariedade entre os povos e o ambiente que habitam. (Tese de Doutorado). UNESP/Instituto de Geociência e Ciências Exata / Educação Matemática. Rio Claro – SP.

Silva, A. A. (2013). Os Artefatos e Mentefatos nos Ritos e Cerimônias do Danhono: por dentro do octógono sociocultural A’uwẽ/Xavante. (Tese de Doutorado). UNESP/Instituto de Geociência e Ciências Exata / Educação Matemática. Rio Claro – SP.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 Revista Latinoamericana de Etnomatemática

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.

Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.