Etnoestatística(s): Uma nomeação histórica, pragmática e linguística da contemporaneidade

Samuel Edmundo Lopez Bello, Jean-Claude Régnier

Resumen


Resumo

Este trabalho visa contribuir com o debate teórico-filosófico da Etnomatemática para pensar sobre como saberes matemáticos e/ou estatísticos, num quadro normativo, podem ser vistos na contemporaneidade fora de dispositivos de caráter estruturalista ou multicultural. Metodologicamente, movimentamo-nos analiticamente a partir do dispositivo de Numeramentalidade, cujas bases se encontram no pensamento de Michel Foucualt e autores afins. Da mesma forma, movimentamos a noção de desconstrução de Jaques Derrida e de jogos de linguagem de L. Wittgenstein para introduzir e problematizar o termo Etnoestatística(s) no âmbito de sua enunciabilidade. Assim, e a partir dos movimentos conceituais realizados, percebemos que dentro de toda uma pragmática é possível ensaiar a proliferação de sentidos para aquilo que denominamos de Etnoestatísticas que não se restrinja para uma etnicidade, como tem acontecido com a Etnomatemática.

Abstract

This work aims to contribute to the theoretical-philosophical debate of Ethnomathematics to think about how mathematical and / or statistical knowledge, within a normative framework, can be seen in the contemporary world outside devices of a structuralist or multicultural character. Methodologically, we use the concept of Numerality, whose analitic foundations are lied in the thinking of Michel Foucualt and related authors. In the same way, we operates with the notion of deconstruction of Jaques Derrida and language games of L. Wittgenstein to introduce and problematize our term Ethno-statístics within the scope of its enunciation. Thus, from the conceptual movements performed, we realize that within pragmatic approache it is possible to rehearse the proliferation of meanings for what is so-called ethno-statistics, which is not restricted to an ethnicity, as has happened with ethnomathematics.


Palabras clave


Etnoestatística(s); Desconstrução linguística; Numeramentalidade; Normatividade numérica; Etnomatemática; Ethnostatistiques; Linguistic deconstruction; Numeramentality; Numerical normativity; Ethnomathematics

Referencias


Bampi, L. R. (2003). Governo Etnomatemático: tecnologias do multiculturalismo. (Tese Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Beaucage, P. (2002). La Etnociencia, su desarrollo y sus problemas actuales. Cronos, 3(1), 47- 92.

Bello, S. E. L. (2000). Etnomatemática: relações e tensões entre as distintas formas de explicar e conhecer. (Tese Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Bello, S. E. L. (2002). Etnomatemática no contexto guarani-Kaiowá: Reflexões para a educação matemática. In M. K. L. F. Ferreira, (Org.). Ideias Matemáticas de Povos Culturalmente Distintos (pp. 297-325). São Paulo: Global.

Bello, S. E. L. (2010). Discursividades e práticas analíticas: (re)inventando estratégias investigativas em Educação Matemática. Encontro Nacional de Didática e prática de Ensino: convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: políticas e práticas educacionais. Belo Horizonte: UFMG. 13f.

Bello, S. E. L. (2012a). Numeramentalização: o estudo das práticas e do governamento em educação (e) matemática na contemporaneidade. Revista Reflexão e Ação, 20(2), 88-114.

Bello, S. E. L. (2012b). As práticas curriculares em Matemática que se produzem pelo governo do IDEB. Horizontes, 30(2), 19-30.

Bello, S. E. L., Régnier, J. C., & Sperrhake, R. (2014). Quando os números produzem formas- sujeito: a quantificação como prática de governo. Encontro de Etnomatemática do Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.etnomatrj.uff.br/images/CC_Bello_Reggnier_e_Sperrhake_etnomat_rj.pdf

Bello S. E. L., & Traversini, C. S. (2011). Saber estatístico e sua curricularização para o governamento de todos e de cada um. Bolema, 24(40), 855-871.

Campos, M. D. (2002). Etnociência ou etnografia de saberes, técnicas e práticas? In M. C. Amorozo, L. C. Ming, & S. M. Silva, Métodos de Coleta e Análise de Dados em Etnobiologia, Etnoecologia e Disciplinas Correlatas (pp. 47-90) Rio Claro: UNESP/CNPq.

Corazza, S. (2000). História da infância sem fim. Ijuí: Ed. UNIJUÍ.

D’ambrosio, U. (1985). Ethnomathematics and Its Place in the History and Pedagogy of Mathematics. For the Learning of Mathematics, 5(1), 44-48.

D’ambrosio, U. (1990). Etnomatemática. São Paulo: Ática.

D’ambrosio, U. (2005). Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica.

Deleuze, G. (1999). Que es un dispositivo? In E. Balibar, H.

Dreyfus, G. Deleuze, et al., Michel Foucault, filósofo (pp. 155-163). Barcelona: Gedisa.

Derrida, J. (2008). Gramatologia. Trad.: Miriam Shneiderman e Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Editora Perspectiva.

Foucault, M. (2000). Sobre a História da sexualidade. In M. Foucault, Microfísica do poder (pp. 243 – 277). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2004). Sécurité, territoire, population: cours au Collège de France, 1977-1978. Paris: Seuil.

Grondin, J. (1999). La définition derridienne de la déconstruction. Archives de philosophie, 62, 5-16.

Knijnik, G., Wanderer, F., & Oliveira, C. (Orgs.). (2004). Etnomatemática: Currículo e Formação de Professores. Santa Cruz do Sul: Edunisc.

Marcello, F. de A. (2003). Dispositivo da maternidade: mídia e produção agonística de experiência. (Dissertação Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Monteiro, A., Sena, E. G., & Santos, J. A. (2007). Etnomatemática e prática social: considerações curriculares. In R. J. Mendes e R. C. Grando, (Orgs.). Múltiplos olhares matemática e produção de conhecimento (pp. 29-63). São Paulo: Musa Editora.

Moraes, M. (2013). A crítica de Derrida ao etnocentrismo não declarado de Lévi-Strauss. Ensaios Filosóficos, 7, 137-155.

Orey, D. C., & Rosa, M. (2016). Reflecting on ethnomathematics as pedagogical action in the mathematics curriculum. International Journal for Research in Mathematics Education, 6(1), 157-177.

Pais, A. (2012). A investigação em Etnomatemática e os limites da cultura. Revista Reflexão e Ação, 20(2), 32-48.

Peters, M. (2000). Pós-Estruturalismo e as filosofias da diferença. Belo Horizonte: Autêntica.

Piaget, J. (1979). O Estruturalismo. Trad. Moacir Renato Amorim. São Paulo: DIFEL.

Powell, A. B., & Frankenstein, M. (Orgs.). (1997). Ethnomathematics – Challenging Eurocentrism in Mathematics Education. Albany, NY: State University of New York Press.

Ribeiro, J. P. M., Domite, M. C., & Ferreira, R. (Orgs.). Etnomatemática: papel, valor e significado. São Paulo: ZOUK, 2004.

Schatzki, T. R. (1996). Social practices: a wittgensteinian approach to human activity and the social. New York (USA): Cambridge University Press.

Silva, T. T. (2010). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3ed. Belo Horizonte: autêntica.

Sperrhake, R. (2013). O saber estatístico como dizer verdadeiro sobre a alfabetização, o analfabetismo e o alfabetismo/letramento. (Dissertação Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Tin, L-G. (2014). Qui a peur des statistiques ethniques ?. In I. Bruno, E. Didier, & J. Prévieux, Statactivisme: comment lutter avec des nombres (pp. 87 – 99). Paris: Zones.

Wittgenstein, L. (2005). Investigações Filosóficas. 4 ed. Petrópolis: Voze.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 Revista Latinoamericana de Etnomatemática

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.

Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.