Práticas da cozinha de merendeiras escolares: Textos e contextos etnomatemáticos

Lucas Nunes Ogliari, Samuel Edmundo Lopez Bello

Resumen


Resumo

O presente artigo problematiza as práticas de cozinheiras sob uma perspectiva analítica da linguagem, através dos estudos de Wittgenstein e suas contribuições para a compreensão dos jogos de linguagem. Por meio de uma reflexão gramatical sobre a produção simbólica acerca de elementos relacionados à matemática na prática de profissionais da cozinha, colocamos sob suspeita as ações pedagógicas quando entrelaçadas aos estudos etnomatemáticos e à produção de situações-problema que visam aproximar as práticas matemáticas de diferentes grupos culturais da matemática escolar. Tendências como esta “revestem” os conhecimentos matemáticos com o intuito de dar sentido ao conhecimento através destas práticas.  A partir de relatos de cozinheiras escolares, extraídos de uma pesquisa de campo, discorremos sobre a natureza do conhecimento matemático na perspectiva wittgensteiniana, ressaltando as transformações de proporções e medidas recorrentes da prática cotidiana das profissionais. Com base em uma análise gramatical, tecemos argumentos que se contrapõem ao entendimento de que é possível traduzir determinados procedimentos das práticas matemáticas de distintos grupos culturais para o entendimento da prática escolar. Apontamos, ao final, novos caminhos para as ações pedagógicas que envolvem o ensino de matemática e os estudos de etnomatemática, com vistas às problematizações indisciplinares.

 

Abstract

This article problematizes cooking practices on an analytical language perspective according to Wittgenstein studies and his contributions to the comprehension of language-games. Through a grammatical reflection involving the symbolic production about elements related to mathematics in the practice of kitchen professionals, the pedagogical actions were questioned when intertwined to ethnomathematical studies and to the problem situation production that aim to join the mathematical practices of different cultural groups to the school mathematics. These tendencies “vesture” the mathematical knowledges on order to conceive meaning to knowledge through these practices. From the reports of kitchen professionals, extracted from a descriptive study, we discuss the nature of the mathematical knowledge according to wittgenstein's perspective, we emphasize the proportions e measurements transformations recurrent of cooking practices of lunch ladies. Based on a grammatical analysis, we weave arguments that counterposes the understanding that it is possible to translate determined mathematical practices procedures of diverse cultural groups to the comprehension of school practices. As final consideration, new ways are indicated to pedagogical actions involving mathematical teaching and ethnomathematical studies related to indisciplinary problematizations.


Palabras clave


Etnomatemática; Jogos de Linguagem; Práticas; Situações-problema; Matemática; Ethnomathematical; Language-games; Practice; Problem Situation; Mathematics

Referencias


Carvalho, G. C., & Fonseca, M. C. F. R. (2013). Os diferentes jogos de linguagem presentes na discussão de questões de matemática do ENEM por docentes em formação. VII Congreso Iberoamericano de Educación Matemática. Actas del VII Congreso Iberoamericano de Educación Matemática. Montevideo.

Bello, S. E. L. (2010). Jogos de linguagem, práticas discursivas e produção de verdade: contribuições para a educação (matemática) contemporânea. Zetetiké, 18(Número Temático).

Bello, S. E. L. (2012). Numeramentalização: o estudo das práticas e do governamento em educação (e) matemática na contemporaneidade. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, 20(2), 88‐114.

Bello, S. E. L., Regnier, J. C., & Sperrhake, R. (2014). Quando os números produzem formas-sujeito: a quantificação como prática de governo. Encontro de Etnomatemática do Rio de Janeiro - ETNOMAT-RJ, Niterói. ETNOMT-RS: Encontro de Etnomatemática do Rio de Janeiro - Caderno de Resumos.

Deleuze, G. (1991). A dobra. Leibniz e o barroco. Campinas, SP: Ed. Papirus.

Fiorentini, D., & Lorenzato, S. (2006). Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados.

Gottschalk, C. M. C. (2004). A natureza do conhecimento matemático sob a perspectiva de Wittgenstein: algumas implicações educacionais. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, 14(2), 305-334.

Gottschalk, C. M. C. (2008). A construção e transmissão do conhecimento matemático sob uma perspectiva Wittgensteiniana. Cadernos Cedes, 28(74), 75‐96.

Lave, J. (1996). A selvajaria da mente domesticada. Revista Crítica de Ciências Sociais, 46, 109-134.

Maria, M. (2015). Esqueça a arte. Cozinha é matemática. Estadão. Redacao paladar. Acesso em: 10, maio. Disponível em:< http://paladar.estadao.com.br/noticias/comida,esqueca-a-arte-cozinha-e--matematica,10000007708>.

Miguel, A. (2015). A Terapia Gramatical-Desconstrucionista como Atitude de Pesquisa (Historiográfica) em Educação (Matemática). Perspectivas da Educação Matemática, 8 (Número Temático), 607-647.

Miguel, A., & Vilela, D. S. (2008). Práticas escolares de mobilização de cultura matemática. Cadernos Cedes, 28(74), 97-120. ISSN 1678-7110.

Miguel, A., Vilela, D. S., & Moura, A. R. L. (2012). Problematização interdisciplinar de uma prática cultural numa perspectiva Wittgensteiniana. Revista Reflexão e Ação, 20(2), 6-30.

Mondadori, M. (2015). Unidades de medidas não convencionais na merenda das escolas municipais de Gravataí. RS. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Matemática, Licenciatura). Faculdade Inedi, Complexo de Ensino Superior de Cachoeirinha.

Pinho, P. M. (2013). Numeramentalização: Olhares sobre os usos dos números e dos seus registros em jogos de práticas escolares na contemporaneidade. (Tese de Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Porto Alegre.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2006). Abordagens atuais do programa etnomatemática: delinenando-se um caminho para a ação pedagógica. Bolema, 19(26), 19-48.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2012). O campo de pesquisa em etnomodelagem: as abordagens êmica, ética e dialética. Educação e Pesquisa, 38(4), 865-879.

Vilela, D. S. A. (2010). Terapia filosófica de Wittgenstein e a educação matemática. Educação e Filosofia, 24(48), 435-456.

Wittgenstein, L. (2014). Investigações filosóficas. Trad. Marcos G. Montagnoli. Coleção Pensamento Humano. 9ª edição. Petrópolis: Vozes.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 Revista Latinoamericana de Etnomatemática

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.

Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.