Os saberes matemáticos de uma costureira

Monica Taffarel, Adailton Alves da Silva

Resumen


Resumo

 

O presente artigo é o resultado de uma pesquisa, cujo o objetivo é evidenciar e pronunciar os saberes matemáticos presentes no cotidiano de uma costureira, que diante das dificuldades na adolescência, não teve a oportunidade de frequentar uma escola. O referencial teórico adotado foi na perspectiva da Etnomatemática, uma vez que esse programa de pesquisa reconhece os diversos modos de produzir Matemática, visando explicar os processos de geração, organização e transmissão de conhecimento nos diversos sistemas culturais. A pesquisa foi desenvolvida durante os meses de maio e junho de 2016, no seu próprio ambiente de trabalho. Usamos como técnica para a produção dos dados entrevista semiestruturada, registros de imagens no ateliê e observação. A análise dos resultados vale-se de uma abordagem qualitativa na vertente da Etnomatemática, uma vez que não tem a preocupação em homogeneizar os valores numéricos, mas a compreensão do indivíduo, grupo, organização. Observamos que mesmo não tendo frequentado a escola formal, seus conhecimentos matemáticos foram modelando-se com a prática em sua profissão.  Dessa forma, compreendemos que não importa o grau de instrução que uma pessoa possui, o importante é utilizar seus conhecimentos para resolver situações de seu cotidiano, buscando maneiras próprias para sua sobrevivência e transcendência. 

Abstract

 

This article is the result of a search, whose goal is to highlight and comment the mathematical knowledge present in the daily life of a dressmaker, who faced difficulties in adolescence, not had the opportunity to attend a school. The theoretical framework was adopted in the context of Ethnomathematics, since this research program recognizes the different modes to produce mathematics, in order to explain the processes of generation, organization and transmission of knowledge in the various cultural systems. The research was developed during the months of May and June 2016, in your own work environment. Use as a technique for the production of the semi-structured interview data, records of images in the Studio and observation. The analysis of the results is worth a qualitative approach in terms of Ethnomathematics, since they don't have the concern to homogenize the numeric values, but understanding of the individual, group, organization. We observe that even having attended formal school, his math skills were modeling with the practice in your profession.  That way, we understand that no matter the level of education a person has, the important thing is to use their knowledge to solve your everyday situations, seeking ways to your survival and transcendence.


Palabras clave


Etnomatemática; Conhecimento; Cultura ; Ethnomathematics; Knowledge; Culture

Referencias


D’Ambrosio, U. (1990). Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. Editora Ática,

D’Ambrosio, U. (2009a). Etnomatemática: Elo entre as Tradições e a Modernidade. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

D’Ambrosio, U. (2009b). Transdisciplinaridade. 2. ed. São Paulo, SP: Palas Athena.

D’Ambrosio, U. (2005). Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação e Pesquisa, 31(1), 99–120.

D’Ambrosio, U. (2004). Um enfoque transdisciplinar à educação e à história da matemática. In: M. Bicudo, & V. Borba, Educação matemática: pesquisa em movimiento (pp. 13-29). São Paulo: Cortez.

Freire, P. (1986). Educação e Mudança. 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Larrosa, J. B. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19, 20-28.

Minayo, M. C. S. (Org.). (2001). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Monteiro, R. C. A. (1991). Pesquisa qualitativa como opção metodológica. Pró-Posições, 5, 27-35.

Ribeiro, J. P. M. & Ferreira, R. (2006). Educação escolar indígena e etnomatemática: um diálogo necessário. In J. P. M. Ribeiro, M. C. S. Domite, Ferreira, R. (Orgs.). Etnomatemática: papel, valor e significado (pp.149-160). 2. ed. Porto Alegre, RS: Zouk.

Scandiuzzi, P. P. (1997). A dinâmica de contagem de lahatua Otomo e suas implicações educacionais: uma pesquisa em etnomatemática. 216 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Silva, A. A. (2010). O ser A’uwẽ/Xavante através do saber/fazer matemático. In A. Silva, E. A. Jesus, & P. P. Scandiuzzi, (Orgs.). Educação etnomatemática: concepções e trajetórias (pp. 9-20). Goiânia: Ed. PUC Goiás.

Vergani, T. (2002). Matemática & Linguagem(s): olhares interactivos e transculturais. Pandora edições. Lisboa-PT.

Vergani, T. (2007). Educação Etnomatemática: o que é?. Ed. Flecha do Tempo: Natal.

Yin, R. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.

Comentarios sobre este artículo

Ver todos los comentarios


Copyright (c) 2017 Revista Latinoamericana de Etnomatemática

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.

Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.